Mochileira de Jesus

terça-feira, 7 de maio de 2013

É só o amor, é só o amor...


Ainda que eu fale as línguas dos homens e dos anjos, se não tiver amor, serei como o sino que ressoa ou como o prato que retine. I Co 13:1

Em geral o amor é o que há em comum em diferentes cosmovisões, teologias e relações interpessoais. O amor não é um sentimento, ou uma coisa que faz o coração bater mais rápido, o amor é uma decisão.

Quando Jesus pediu para amar a Deus sobre tudo e amar o próximo como a si mesmo, não estava falando de uma paixão, ou sentimento, ou emoção.. estava dizendo decidam amar todos os dias.

Camões escreveu: Amor "É servir a quem vence, o vencedor"

Quem é o verdadeiro vencedor nessa frase? O que vence ou o que serve?

A resposta obvia é quem vence é o vencedor, mas nesses dias senti na pele que vence aquele que ama, aquele que se abstém de ganhar todas as discussões, esse é o vencedor vencido pela missão de servir o amor.

Eu posso escolher entre ganhar uma discussão, agredir com toda a verdade, não dizer bom dia, ignorar, desprezar.. ou eu posso escolher amar. Eu escolhi amar!


Essa semana isso foi posto a prova, uma das minhas companheiras de apto é realmente difícil. Ela tem uma personalidade forte e se fixa em pequenas coisas para consertar enquanto grandes coisas estão quebradas. Faz uns meses que eu andava muito irritada com isso e por fim discutimos no sábado.

Domingo é dia de ir para o culto, e o Esp. Santo não me deixou sair de casa.

Se alguém afirmar: "Eu amo a Deus", mas odiar seu irmão, é mentiroso, pois quem não ama seu irmão, a quem vê, não pode amar a Deus, a quem não vê. I Jo 4:20

Esse versículo explodiu no meu coração, como poderia sair para ir a igreja, cantar musicas de adoração, abraçar pessoas que não conheço, quando a raiva e o orgulho me impediam de olhar para cara dela.

Porque, se perdoardes aos homens as suas ofensas, também vosso Pai celestial vos perdoará a vós; Se, porém, não perdoardes aos homens as suas ofensas, também vosso Pai vos não perdoará as vossas ofensas. Mt 6:14-15

Mil coisas vieram a minha cabeça... "ela vai pensar que está certa", "ela vai continuar fazendo o mesmo", "ela que tem que me pedir perdão".

Então esperei ela por 30 minutos na porta de saída, me atrasei para o culto, mas não podia sair assim de casa. Não quero ser mais uma hipócrita, ainda que eu estava machucando meu orgulho, era melhor que ferir o Espírito Santo.

Nos abraçamos e senti a liberdade, me senti livre de ganhar sempre, de sempre ter a razão, livre para perder a briga e "servir a quem vence".  Isso é amor, isso não é fácil, mas sem isso não posso me intitular cristã.






Um comentário:

  1. Parabéns pelo blog, irmã Dayane. Edificantes mensagens !!! Que a potente mão do Senhor esteja contigo !!!

    ResponderExcluir